Manual de SMM

Manual de Sociedade Masculina Missionária


1 - Razão de ser

A SHB tem como objetivo levar o homem adulto a envolver-se com missões na igreja local, na associação, Missões Locais; nas convenções, Missões Urbanas ou Estaduais, Nacionais e Mundiais. Tornar conhecida e despertar o interesse na participação das atividades da UHBB, UHB convencionais, UHB associacional, UHBLA (União de Homens Batistas Latino Americanos) e no Departamento de Homens da ABM (Aliança Batista Mundial). É uma organização com características próprias, de serviço e de atividade. Não há como compará-la a qualquer outra dentro da denominação. O trabalho da SHB é amplo e atinge os homens em suas atividades diárias. Médicos, advogados, eletricistas, pedreiros, militares, pastores, etc. todos fazem parte da SHB indistintamente. Devem atuar em todos os locais onde estiverem como crentes em Jesus Cristo, como discípulos. Cada SHB poderá utilizar-se de todos os homens existentes na igreja ou congregação para, unidos, exercerem as funções mencionadas. Pede-se a todos os homens adultos que procurem ocupar seus espaços dentro da organização e encontrarão a satisfação de trabalhar para o Senhor, dEle receber as bênçãos e contribuir para minorar o sofrimento dos que nos cercam "arrebatando-os do fogo e terra".
Histórico da Sociedade de Homens Batistas
Em 1992, com o crescimento da UMMBB, concluiu-se que a SMM (Sociedade Masculina Missionária) deveria ser um departamento, assim como Embaixadores do Rei (DENAER) e Grupo de Ação Missionária (DENAGAM) e não uma União. Este sonho acabou de virar uma realidade na Assembléia Anual da UMMBB, realizada no dia 21 de janeiro de 1994, em Aracaju, SE, acatou-se a sugestão da Secretaria Executiva da UMMBB para criar o DEPARTAMENTO NACIONAL DE SOCIEDADE MASCULINAS MISSIONÁRIAS, sob a sigla DENASOM. Nesta mesma ocasião foi trabalhado o nome de um coordenador para está assim coordenando este trabalho. O primeiro coordenador deste departamento foi o irmão Oziel Alves Lírio, depois passaram os seguintes irmãos: Antônio Claudino Rodrigues, Edson Ramos de Souza, Jorge Itararé Maravalha (interino), Cláudio Santos e o pastor Nivaldino Cipriano Bastos.
Atualmente o irmão Ademir Clemente Bezerra, ocupa a função de coordenador este departamento desde maio de 2002.
O objetivo da criação deste departamento é dar suporte a SHB de sua igreja local, através do DCSHOBs e DASHOBs pois assim como o DENAER trabalha junto aos ERs de todo Brasil e o DENAGAM com os GAMs o DENASHOB tem esta função de trabalhar com esses departamentos (convencional e associacional) para que a sua SHB, em sua igreja local, através dos DASHOB (Departamento Associacional de Sociedade de Homens Batistas) que tem a responsabilidade em trabalhar com as SHBs de igrejas pertencente a sua associação e o DCSHOB (Departamento Convencional de Sociedade de Homens Batistas), que tem a responsabilidade em trabalhar com os DASHOBs. Louvamos a Deus pela visão na criação deste departamento, pois tem sido ao longo deste ano uma importante ferramenta para o desenvolvimento das SHBs de nossas igrejas batistas em todo o Brasil.
Outra vitória nossa é saber que o trabalho de SHB vem crescendo de tal maneira que em algumas regiões do nosso país tem sido criado UHB em nível de região, a exemplo do sudeste, nordeste, centro oeste e sul do Brasil, inclusive temos todo ano encontros anuais com os líderes dessas organizações.

Histórico do início do trabalho de homem batistas no Brasil

Eu costumo falar que nosso histórico é meio complicado, pela razão que começou e principalmente pela necessidade que existia naquela ocasião em evangelizar. A primeira organização masculina batista do Brasil foi criada em 4 de junho de 1916 na Primeira Igreja Batista do Rio de Janeiro, com a presença de onze homens. Após isto muitos grupos de homens funcionavam em várias igrejas com diversos nomes: União de Homens, Sociedade Cooperadora de Homens, Departamento Masculino de Evangelização, Gideões, etc. Lembramos com gratidão a Deus pela vida e dedicação dos pioneiros do trabalho batista no Brasil, quando saíam evangelizando pessoalmente, pregando o Evangelho ao ar-livre, distribuindo literatura evangélica de casa em casa, organizando e mantendo pontos de pregação, congregações e novas igrejas. O resultado foi a repetição da história da igreja primitiva: "acrescentavam-lhes o Senhor, dia a dia, os que iam sendo salvos". Atos 2:47
Em 15 de janeiro de 1944, Francisco Manoel do Nascimento, Secretário-Geral e Tesoureiro da União Geral das Sociedades Cooperadoras de Homens, lançava através da Casa Publicadora Batista, o Pequeno Manual das Sociedades Cooperadoras de Homens com o apoio dos homens das igrejas batistas do Rio de Janeiro, dos pastores José de Miranda Pinto, Dr. António Neves de Mesquita e Nelson Miranda.
Em 1947, o Departamento Masculino de Atividades Missionárias foi transformado em Divisão Masculina de Atividades Missionárias, sendo chefiado pelo pastor Edson José Machado.
Em 1963, os homens adultos sonhavam com uma organização missionária e com a ampliação do trabalho masculino. Foi então oficializada a Sociedade Cooperadora de Homens e preparada a primeira edição do Guia do Cooperador pelos pastores William Alvin Hatton e Edson José Machado, contendo orientação para as SCH. Foi-lhe dado o nome de MANUAL DAS SOCIEDADES COOPERADORAS DE HOMENS.
Em 1970, quando na Convenção em Salvador-BA, foi realiza­da a I Assembléia de Homens Batistas do Brasil, marco histórico do inicio de nosso trabalho, sob a direção do irmão Alcides Cunha, hoje pastor.
Em junho de 1977, o pastor José dos Reis Pereira, referindo-se à provável criação da União Masculina Missionária pela CBB, declarava: " Nós precisamos de paz e harmonia no Brasil batista para a vitória completa da Campanha Nacional de Evangelização e vitória para a década do Centenário. Nos homens organizados teremos elementos preciosíssimos para tais vitórias. É tempo de deixarmos de tecnicismo e idéias de reestruturação para aperfeiçoar ou racionalizar nosso trabalho. A obra do Senhor tem outras leis que transcendem nossos cálculos e esquemas humanos". Palavras proféticas e abençoadas até que...
Em 23 de janeiro de 1978, a 60a Assembléia da Convenção Batista Brasileira, reunida em Recife-PE, criou a UMMBB, cujo primeiro presidente foi o Dr. Ophir Pereira de Barros e Secretário-Geral, o irmão Dirceu Amaro. Com a criação da União Masculina Missionária Batista do Bra­sil, atendeu-se ao desejo dos homens batistas de ter uma organiza­ção com uma estrutura própria que pudesse, sob a égide da Con­venção Batista Brasileira, realizar um trabalho dinâmico e que con­gregasse de fato, todos os homens batistas do Brasil. Com isso as organizaçãos; Embaixadores do Rei (que estava sob a responsabilidade da JUERP) e o Grupo de Ação Missionária (que na época pertencia e coordenadoria de educação religiosa da CBB) passaram a fazer parte da UMMBB. A UMMBB tem comprovado, ao longo de sua história, não ser apenas mais uma organização no cenário batista brasileiro. De norte a sul e de leste a oeste, os homens têm se colocado ao dispor de Deus para cumprir os desígnios reservados por Ele para as Sociedades Masculinas Missionárias, empenhando-se por manter a tradicional posição de sustentáculos das igrejas do Brasil.
Em 20 de janeiro de 1998, na Assembléia Anual da UMMBB, realizado na cidade de Goiânia - GO, foi aprovada a mudança do nome de União Masculina Missionária Batista do Brasil para União de Homens Batista do Brasil, afim de seguir a nomenclatura de União Homens Batistas Latino-Americanos (UHBLA)


2 - Características da Sociedade de Homens Batistas

a. TEMA: "Expandindo Missões Aqui e no Mundo"
b. DIVISA: "Pois nós não podemos deixar de falar das coisas que temos visto e ouvido" - Atos 4:20
c. HINO PERMANENTE: 422 CC - "Trabalho Cristão"
d. EMBLEMA


As duas figuras ao centro representam a união que deve existir entre os membros das SHB, que devem levar a luz do Evangelho aqui e no mundo, simbolizada por uma tocha acesa.
e. CORES
Vermelho - Sacrifício de Cristo na cruz em remissão dos nossos pecados.
Amarela - Preciosidade. Comparada ao ouro, nossa vida em
Cristo e para Cristo tem muito valor.
Azul - Lealdade a Cristo, à igreja, à família, à denominação e à Sociedade de Homens Batistas.
Branca - Pureza da mente, do coração e do corpo.

COMPROMISSO
Prometo:
Esforçar-me por uma vida digna de um Homem Batista; Guardar meus lábios da mentira, da impureza e de tomar o nome de Deus em vão;
Conservar meu corpo limpo e pronto para o serviço; Dar tudo que puder para o sustento de missões e pelo meu trabalho, ajudar a estabelecer o reino de Deus na Terra.
Se assim não for, para que nasci?


3 - Datas comemorativas de nossa organização.

ANIVERSÁRIO DO DENASHOB
No dia 21 de janeiro de 1994 foi organizado o departamento de Sociedade de Homens e nesta data comemoramos o aniversário do DENASHOB.

DIA MUNDIAL DE ORAÇÃO E TESTEMUNHO DO HOMEM BATISTA
Todo 4º sábado de abril comemoramos esta data, que foi estabelecida pelo departamento masculino da Aliança Batista Mundial, para que os homens de todo mundo estejam orando especificamente nesta data em todo o planeta.

Mês do Homem Batista
JUNHO É O MÊS DO HOMEM BATISTA. A ênfase é dada no primeiro domingo, visto que a primeira organização de homens batistas foi organizada no dia 04 de junho de 1916 na Primeira Igreja Batista do Rio de Janeiro, com o nome de Sociedade Cooperadora de Senhores.

Vínculos
A Sociedade de Homens Batistas está vincula da à União de Homens Batista da igreja local, pois a SHB, juntamente com o Grupo de Ação Missionária e os Embaixadores do Rei formam a UHB para desenvolver o trabalho de evangelismo e missões, mobilizando todos os homens.
Relacionando-se cooperativamente com as UHB associacionais - DASHOB (Departamento Associacional de Sociedade de Homens Batistas) UHB Convencionais -- DCSHOB (Departamento Convencional de Sociedade de Homens Batistas) e UHBB - DENASHOB (Departamento Nacional de Sociedade de Homens Batistas).


4 - SHB. Sua organização e funcionamento

4.1 Da Organização
Qualquer homem adulto, membro da igreja, pode pertencer a esta organização. Quem desejar implantar a SHB na igreja local deverá conversar com o pastor, mostrando através de ações evangelisticas e missionárias já realizadas por alguns homens. Se possível, convidar um homem líder conhecedor da União de Homens Batistas para prestar informações a respeito do trabalho. Seguindo a rotina da igreja, em data previamente marcada, eleger a diretoria e empossá-la em reunião solene perante a igreja que homologará a nova organização. Enviar ao DENASHOB a ficha com a data da organização.
4.2 Do Funcionamento
Reunir, mensalmente, promovendo nas reuniões, estudos bíblicos, estudos missionários, momentos de oração, parte inspirativa com louvores, planejando ações missionárias e evangelisticas externas, enfim, fazendo tudo para cumprir os objetivos da organização;
Promover, em conjunto com outras sociedades de homens, viagens e/ ou mutirões missionários à regiões carentes;
Trabalhar, em conjunto com a igreja, nos setores de Evangelização e Missões, Beneficência ou Ação Social;
Adquirir todo o material da UHBB concernente a sua organização;
Manter correspondência constante com a UHBB através de relatórios ou visitas informativas;
Fazer os estudos mensais da Revista Homem Batista;
Estudar criteriosamente este Manual.
Realizar outros estudos, com assuntos de interesses e temas atuais

4.3 Diretoria
Os componentes da diretoria devem ser homens consagrados a Deus, devem reconhecer que foram chamados para uma nobre missão: proclamar o Evangelho de Jesus. Devem ser pessoas organizadas, que amem a SHB; que tenham capacidade de liderança e bom relacionamento com a membresia da igreja, Embaixadores do Rei, Grupo de Ação Missionária e com as SHB das associações.
Pede-se, também, que a diretoria seja defensora dos princípios que regem a SHB e procure ocupar seu espaço na igreja, dentro de um diálogo franco e amoroso.

l. SHB em Ação
Cargos e Funções:
Para desenvolver seu trabalho, a SHB de uma igreja precisa de uma liderança eficaz, cujo número dependerá das características da SHB e da igreja. O pastor ou alguém designado por ele fará o estudo para implantação da SHB na igreja. Sugerimos uma diretoria composta, se possível, com os seguintes cargos: O Presidente, Vice-Presidente, Secretário, Diretor de Música, Diretor de Sociabilidade, Diretor de Programas e Tesoureiro. O próprio cargo em si já direciona para as atribuições, cabendo à liderança definir de acordo com as necessidades da SHB o que cada um da diretoria deve fazer.
Apresentamos tão somente algumas sugestões de atribuições:
Atividade Interna
Mensalmente os homens devem se reunir nas organizações (ER - GAM - SHB), para avaliar as atividades realizadas, planejar o mês seguintes, tomar conhecimento das programações associacionais, estaduais ou regionais e nacionais e, principalmente, promover a edificação espiritual de cada membro através da oração e do estudo mensal publicado na revista HB.

Atividade Externa
Aproveitar ao máximo as oportunidades para evangelizar e envolver todos os homens adultos na obra missionária - "ser-me-eis testemunhas tanto em Jerusalém, como em toda a Judéia e Samaria e até aos confins da terra" (Atos 1:8)

4.4 Atribuições dos membros da Diretoria:

A. Presidente
"Planejar, organizar, liderar, cobrar e supervisionar".
Representar a SHB e fazer-se presente em todo empreendimento da igreja, das associações e das convenções, levando a SHB a cooperar; Promover o estudo do Manual da SHB pelo menos duas vezes ao ano; Manter boa relação com o Pastor e o Diretor de Missões, dando-lhe ciência dos planos da SHB; Traçar planos e atividades da SHB juntamente com os demais membros da diretoria; Treinar e supervisionar os trabalhos dos demais membros da diretoria; Assinar com o Secretário, o Livro de Atas.

B . Vice-Presidente
Substituir o Presidente em todos os seus impedimentos ou a seu pedido.

C. 1° Secretário:
Fazer uso da Caderneta do Secretário, registrando todas as atividades da SHB e outras ali expressas e mantê-la atualizada; Enviar relatórios ao Departamento de Missões da igreja, aos coordenadores regionais, mensalmente, bem como ao DENASHOB; Responsabilizar-se pela pontualidade da literatura e todo o material necessário para a SHB; Receber e expedir todas as correspondências e arquivá-las em pastas próprias; Organizar o Rol de Membros da SHB e mantê-lo atualizado; Enviar notícias e fotografias sobre o trabalho desenvolvido pela SHB ao DENASHOB para publicação na revista ou qualquer outro periódico; Ler o relatório mensalmente perante a SHB para que se tenha idéia do andamento do trabalho.

D. 2° Secretário:
Substituir o 1° Secretário;

E. Tesoureiro:
Observar as normas da igreja local com relação a este cargo; Lançar em livro próprio todos os movimentos de valores e apresentar relatório mensal; Promover campanhas de ofertas para os dias especiais; Obs: Nas igrejas onde existe uma tesouraria única, o Tesoureiro existirá na SHB apenas para solicitar a observância das datas especiais da organização e levar a membresia a contribuir.

F. Diretor de Programas:
Planejar e executar os programas da SHB em suas atividades regulares; Exercitar a criatividade, a fim de evitar a monotonia dos programas; Reunir-se sempre com o Presidente e o Diretor de Música para a elaboração dos programas; Procurar informações nas publicações destinadas ao trabalho do homem batista e outras da denominação; Junto com os Embaixadores do Rei e Grupo de Ação Missionária preparar e executar o programa do Dia do Homem Batista, 1° domingo de junho; Dia Mundial de Oração e Testemunho do Homem Batista, 4° domingo de abril.

G. Diretor de Música:
Escolher os hinos com a programação elaborada por quem estiver dirigindo a reunião;
Formar grupos vocais ou instrumentais dentro da SHB.

H. Diretor de Sociabilidade:
Cultivar o espírito de camaradagem entre os membros; Realizar acampamento, reuniões de congraçamento e lazer entre os membros da SHB e os que ainda não fazem parte da mesma; Realizar intercâmbio entre SHB; Identificar os homens que não fazem parte da SHB e estudar a maneira de atraí-los.

4.5 Como funciona a Sociedade de Homens Batistas
Primeira Reunião, Expor o funcionamento de uma SHB e apresentar todo o material oferecido pela UHBB. Caso haja dificuldades, solicitar a presença do DENASHOB - Coordenador Nacional da SHB ou dos Coordenadores das SHB associacionais ou convencionais, DASHOB e DCSHOB, respectivamente. Preparar uma agenda onde conste: parte devocional como o hino oficial das SHB, compromisso, tema e divisa, representantes da UHBB e dos novos membros da SHB. Escolher um nome para a SHB que poderá ser um líder denominacional, nacional, estadual, regional ou local. Este deverá ser, reconhecidamente, uma pessoa envolvida com o trabalho da UHBB ou SHB em particular. Deve-se providenciar um Livro de Atas e outro de presença, que terão as reuniões numeradas.

4.6 Demais Reuniões
Devem constar de partes inspirativas com louvores e testemunhos, relatórios das atividades mensais, informações da denominação, estudo da revista, etc. A SHB deverá escolher o melhor dia e horário para tal. No mínimo deve-se usar uma hora e, sob pretexto algum, deixar de fazê-lo. Todos os assuntos e lições ali contidas são de interesse dos homens adultos e visam ajudar no crescimento espiritual de todos. Seminários, Congressos, Debates, etc. Poderão ser escolhidas datas para estes tipos de reuniões, pois, nem sempre o tempo é suficiente para o aprofundamento de determinadas questões. É uma maneira de estudar quaisquer assuntos e obter esclarecimentos.

4.7 Quem deve participar de uma UHB?
Os homens casados, independentes de idade ou solteiros com mais de trinta e cinco anos;
Caso sua igreja não tenha ainda organizado o GAM deverão participar todos os jovens com idade superior a 17 anos, que tenham saído dos Embaixadores do Rei ou não. Assim procedendo não perderão o vínculo com a organização e na primeira oportunidade deverão organizar o GAM na igreja; O jovem casado fica com direito de opção de permanecer no GAM até os trinta e cinco anos ou ingressar na SHB após o casamento.

4.8 II Estrutura da SHB
Como posso dizer, é a minha Sociedade Masculina, Sociedade de Homens, Homens Cristão em Ação, União de Homens, Homens Cristãos Missionários, União Masculina Missionária, Sociedade Cooperadora de Homens, Sociedade de Senhores, Grupo de Homens, Ministério de Homens... Afinal qual será o verdadeiro nome de nossa organização?
Geralmente é uma confusão danada, a gente ver tanta gente pronunciar o nome errado, confesso que chega a dor dentro da gente ver alguém falar errado. Por isso estamos colocando a estrutura de nossa organização para que você amado líder possa realmente conhecer a verdadeira estrutura de nossa organização.

5 - Estrutura de nossa organização

5.1 DENASHOB: Departamento Nacional de Sociedades de Homens Batistas. É o segmento da UHBB responsável pelo desenvolvimento geral da SHB em nível nacional, pelo cadastramento dos DCSHOBs convencionais e DASHOBs associacionais e SHB das igrejas locais, responsável, também pela formação e treinamento de líderes, cursos de capacitação de lideres de SHB, também responsável pelo desenvolvimento da revista da Homem Batista, pela elaboração de atividades especiais, pela realização de acampamentos, congressos e outras atividades orientadas ou solicitadas pelo Secretário-Geral da UHBB. Realiza todo ano encontro convencionais de coordenadores de DCSHOBs, onde tem como meta o planejamento dos trabalhos por parte de cada coordenador convencional. Apóia e mobiliza os DCSHOBs convencionais em atividades estaduais e nacionais. Promove a unidade do trabalho d e Sociedade de Homens Batistas em todo o paí s, relacionando-se com as igrejas sem, contudo, interferir nas atribuições convencionais e associacionais. Na direção do DENASHOB está o Coordenador Nacional, indicado pelo Secretário-Geral e homologado pelo Conselho da UHBB, a quem deve prestar relatórios e informações do departamento.

5.2 DCSHOB: Departamento Convencional de Sociedades de Homens Batistas. É o segmento e um departamento da UHB convencional. O DCSHOB apóia e mobiliza as SHB das associações, que são representados pelo DASHOB da UHB associacional. Promove acampamentos, congressos, treinamento de lideres para SHB, encontro convencional de coordenadores associacionais de SHB, visando fortalecer mais ainda o trabalho da SHB associacional entendendo que o segredo do fortalecimento do trabalho no estado tem como base as associações de igrejas. Tem sob sua responsabilidade a supervisão dos trabalhos dos coordenadores associacionais. Presta relatórios ao coordenador do DENASHOB, e periodicamente reúne-se com o Coordenador Nacional para avaliar e propor sugestões para o pleno desenvolvimento dos trabalhos.

5.3 DASHOB: Departamento Associacional de Sociedades de Homens Batistas É o segmento e um departamento da UHB associacional. A SHB da igreja local faz parte do DASHOB, o qual tem por função o apoio e a mobilização das SHB das igrejas locais, na realização de programas na área da associação. Coordena os trabalhos dos presidentes de SHB em nível de associação, onde mensalmente ou bimestral realiza reuniões com os presidentes de SHB de sua associação, para avaliar esses trabalhos, bem como apoiar e treinar cada líder de igreja associacional. O coordenador de DASHOB presta relatórios, periodicamente ao coordenador do DCSHOB. Sua tarefa principal, em todos os níveis, é promover e estimular o desenvolvimento das SHB de sua associação. Deve observar o organograma da igreja e verificar a posição da SHB dentro do seu contexto. Também tem a obrigação de promover alem dos enc ontros de presidentes, promover também treinamentos de lideres, curso de liderança, promover simpósios, serie de conferencias, mutirões missionários entre outros eventos. O coordenador do DASHOB de sua UHB é o principal elo de ligação com o coordenador do DCSHOB.

5.4 UHB Da mesma forma que tem a nossa estrutura a nível nacional com a UHBB e seus departamentos (DENAER - DENAGAM - DENASHOB) o mesmo deve ser aplicado na UHB convencional (DCER - DCGAM - DCSHOB) UHB Associacional (DAER - DAGAM - DASHOB) o mesmo deve ser aplicado na sua sua igreja, que existindo os ER e GAM e SHB essas organizações forma a União de Homens Batista de sua igreja. UHB é comparada a um edifício, a UHB tem como base os ER, as colunas e vigas são representadas pelo GAM, o teto apresenta-se simbolizado pela SHB. A UHB encaixa-se nesta linguagem figurada como sendo as paredes e todo o acabamento dando forma e beleza ao edifício. Eu costumo falar que a mesma estrutura que é apresentada na UHBB deve ser apresentado também na igreja local, pois a formula de trabalhar é a mesma. O que tem acontecido em nosso meio é que geralmente a maioria dos lideres não conhece a forma correta de trabalhar. A SHB de uma igreja local, dentro da estrutura de nossa organização deve obediência ao DASHOB de sua associação, que por sua vez tem a obrigação de prestar obediência ao DCSHOB de sua convenção, bem como este departamento convencional, que deve obediência ao DENASHOB. A SHB de uma igreja local deverá a cada mês prestar relatórios de suas reuniões e outras atividades ao DASHOB de sua associação.

6. Reuniões produtivas

6.1 A preparação das reuniões;
Para uma reunião eficaz faz-se necessário um bom preparo anterior, observando os seguintes fatores:
Determinar o objetivo da reunião, e verificar se realmente ela é necessária; Marcar a data e horário com bastante antecedência, sempre que possível;
Estabelecer uma hora para começar e terminar a reunião; notificar sempre que possível por escrito, expondo o objetivo, data, hora, lugar e responsabilidade de cada um na reunião.
Reunir todos os dados, informações e materiais necessários para fazer com que a reunião seja eficaz;
Elaborar uma agenda compatível com o tempo disponível para a reunião; Preparar com antecedência os recursos materiais tais como: som, iluminação, documentos, móveis, etc.


6.2 Modelo de agenda;
Devocional;
Palavras introdutórias;
Ata da última reunião ou informações;
Relatório do líder;
Assuntos para discussão:
Encerramento e data da próxima reunião.


6.3 Dirigindo uma reunião;
Começar e terminar na hora;
Procurar usar a linguagem do silêncio. Quanto menos o líder falar, melhor deixar o grupo participar ao máximo;
Conciliar diferenças e reduzir atritos
Lidar com os problemas positivamente;
Registrar tudo o que for discutido, mui especialmente as decisões do grupo;
Evitar que alguém domine as discussões;
Levar o grupo a discutir com objetividade cada assunto para que não
haja desperdício de tempo.


6.4 Providencias após uma reunião;
Avaliar a reunião;
Colocar em prática as decisões o mais rápido possível;
Comunicar aos interessados as decisões firmadas.


6.5 Motivos que levam ao fracasso;
Falta de preparação - Reuniões mal planejadas. Ex: Muito assunto para pouco tempo;
Falta de experiência do líder;
Temperamento do líder.


6.6 Como participar de uma reunião;
Falar francamente;
Ouvir com atenção;
Ficar sentado durante todo o tempo;
Não interromper quem estiver com a palavra;
Não monopolizar a discussão;
Não fugir da discussão, participar;
Discordar com naturalidade;
Trazer perguntas para reunião;
Analisar as decisões do grupo, procurar crescer através das discussões.